Aracaju/Se,

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Mulheres da Antiguidade - TEUTA

Isto é história
Mulheres Audaciosas da Antiguidade
TEUTA

Vicki León
Resultado de imagem para teuta

No século III a.C., a Ilíria não tinha muito do que se gabar. Em primeiro lugar, ninguém sabia direito onde ficava (o mesmo ocorre com sua atual correspondente, a Albânia!). Ela se vangloriava, sim, de um dote salvador: sua indústria de pirataria. Todos concordavam que os piratas da Ilíria eram muito piores do que os de qualquer outro lugar. Então dá para entender por que a rainha Teuta, recém-enviuvada líder dos ilírios, realmente achou inoportuno quando os romanos começaram a reclamar sobre as leis marítimas, passageiros e tripulações que eram mortos ou vendidos como escravos, e tudo o mais.
Resultado de imagem para teuta 
“Pirataria, um crime? Nós a chamamos de direito particular dos cidadãos de confiscar despojos no mar sem a interferência de seu governo”, proclamou ela em tons sonoros para as toga desmancha-prazeres que queriam que ela tomasse medidas contra as bandeiras piratas. Ela fez uma pequena concessão: eles se esforçariam ao máximo para não machucar quaisquer cidadãos romanos durante a perpetração de um ato de pirataria ilírio. Teuta só estava tentando manter as fileiras de desemprego reduzidas. Em sua época, os piratas eram recrutados das tropas de mercenários desempregados. Sua filosofia era que as pessoas tinham de ganhar a vida de alguma maneira.
 Resultado de imagem para teuta a pirata
Ainda zangada, ela introduziu um novo aspecto na pirataria ilíria. Ela enviou cartas de “saqueiem à vontade” aos piratas existentes, depois reuniu uma grande esquadra e exército e os despachou com instruções de encarar tudo como jogo limpo. A despeito dos reveses, Teuta continuou com sua conduta por diversos anos, enviando uma outra esquadra de piratas para aterrorizar Corfu, em 229  a.C. No ano seguinte, ela finalmente entregou os pontos e enviou emissários a Roma para assinar um tratado, que acabou com a farra de Ilíria com suas restrições marítimas.

A Autora
Vicki León
Resultado de imagem para vicki león 
- A próxima postagem de Mulheres Audaciosas da Antiguidade vai falar de “AUDATA-EURÍDICE”. Princesa da Ilíria, casou-se com Filipe da Macedônia e se tornou uma de suas rainhas, já que o seu marido tinha sete esposas. Acompanhe as aventuras dessa mulher audaciosa da antiguidade.

– Do livro “Mulheres Audaciosas da Antiguidade”, título original, “Uppity Women of Ancient Times”, de Vicki León, tradução de Miriam Groeger, Record: Rosa dos Tempos, 1997.


- Todas As imagens foram extraídas do Google.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

O amor nos tempos do cólera

Opinião

O amor nos tempos do cólera
Clóvis Barbosa
 Resultado de imagem para gabriel garcia marquez o amor no tempo do cólera
No final de 2006 o escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez reuniu um grupo de amigos íntimos para um almoço. Ali, ele comunicou que não mais desejava escrever e que encerrava a sua carreira de escritor. Era a morte de um dos mais talentosos escritores da América latina, autor do clássico “Cem Anos de Solidão”. Sim, porque um escritor morre quando deixa de escrever. Naquele dia ele começava a se despedir da vida. Mas foi agora, no dia 17 de abril deste ano, que o coração de El Gabo parou definitivamente. Mas ele vai continuar vivo. Pelo menos enquanto houver alguém que goste de boa leitura. A sua obra-prima “Cem Anos de Solidão” vendeu mais de 45 milhões de exemplares. É um dos livros mais importantes da literatura de língua espanhola, ao lado de “Dom Quixote”, de Miguel Cervantes. Mas o velho El Gabo também escreveu outras obras importantes: “A incrível e triste história de Cândida Eréndira e sua avó desalmada”, “O outono do patriarca”, “Crônica de uma morte anunciada”, “Memórias de minhas putas tristes”, “Do amor e outros demônios”, “O amor nos tempos do cólera”, dentre outras. Ele foi o primeiro colombiano e o quarto latino-americano a receber o Prêmio Nobel de Literatura, o que se deu em 1982 pelo conjunto da sua obra. Durante a premiação ele agradeceu com um discurso denominado “A solidão na América Latina”. Em entrevista ao New York Times, em 1988, ele disse: Foi a época em que fui quase completamente feliz. Gostaria que minha vida tivesse sido como naqueles anos em que escrevi ‘O amor nos tempos do cólera’”. E acrescentou, ao falar sobre as suas obras: “Todas essas coisas para mim são parte da nostalgia. Nostalgia é uma fonte incrível para inspiração literária, para inspiração poética”. Em 1999 ele passou a conviver com um câncer linfático que culminou nos últimos anos de vida em uma demência senil. Na minha posse como Conselheiro do Tribunal de Contas, em 2009, fui buscar inspiração num tema bastante utilizado por Márquez em suas obras: o amor.
Resultado de imagem para gabriel garcia marquez o amor no tempo do cólera
O amor foi a forma que encontrei para registrar minha gratidão à vida e a todos aqueles que conviveram comigo. E dizia, então, que nem a divindade arriscaria impor rédeas ao amor. Intemporal, ele, incessantemente, comina derrotas acachapantes à corrosão e à oxidação com as quais a rotina mostra-se capaz de sobrepujar qualquer outro sentimento. Há, por exemplo, um provérbio popular que enuncia: “a esperança é a última que morre”. Certamente, embora seja a derradeira a morrer, um dia ela efetivamente se dissipará. Com o amor, porém, isso não sucede. Ele, e tão-somente ele, é sempiterno. A morte, que nos extingue enquanto humanos, sucumbe diante do amor que, em nós, é divino e supremo. Para o amor, a propósito, qualquer adjetivação seria pífia. Quem sabe até contraproducente. Daí, garantir Nietzsche que “o que fazemos por amor, sempre se consuma além do bem e do mal”. Daí, ademais, ter sido oportuno o título atribuído pelo sumo pontífice, Joseph , à sua primeira encíclica, “Deus caritas est”: “Deus é amor”. Imortal, o amor sobressai-se pela constante marcha. Nunca recua. Nunca desanda. Avança permanentemente. Duas personagens estão aptas a demonstrar a seriedade de tal garantia. A primeira, obra do gênio Gabriel García Márquez: Florentino Ariza; a segunda – Aristófanes – extraída da poesia que Platão, subliminarmente, fez respingar em “o banquete”, seu mais popular ensaio filosófico. Florentino Ariza amou Fermina Daza. Aristófanes, ao proferir o quarto discurso de “o banquete”, provou que o amor é o que explica a busca pela completude, a busca pela nossa outra metade. Por que o paralelo entre Aristófanes e Florentino Ariza? Ora, a história de Florentino Ariza acha-se no romance “o amor nos tempos do cólera”. O enredo desenrola-se na cidade de Cartagena (Colômbia). Ali, ele descobriu a adorável Fermina Daza, que lhe entorpecia as idéias. Quis o destino, contudo, afastá-los.
Conta García Márquez que o pai de Fermina Daza (Lorenzo Daza), ao descobrir que sua jovem filha enamorara-se de um telegrafista, promoveu a separação dos dois a “fórceps”. O suplício prolongar-se-ia por cerca de cinquenta e três anos. Quis o destino afastá-los, como já afirmado. Realmente os afastou. Nesse ínterim, Fermina Daza findou por ser desposada por Juvenal Urbino, conceituado médico que erradicara a pandemia de cólera, moléstia que, à época, dizimava a Colômbia. Mas o amor reaproximou Florentino Ariza e Fermina Daza. Depois de mais de meio século, eis que ela, curtindo o luto do falecido marido, reencontra o antigo pretendente. Começava, portanto, a ser redesenhado o intenso amor que ambos houveram planejado. O clímax, no entanto, aflui exatamente da conclusão à qual Florentino Ariza chega, após ter nos braços Fermina Daza: há limites para a morte; não há limites para a vida. Em “o banquete”, Aristófanes assegura que, no princípio, os homens eram como que duplicados. Originados ou da lua, ou do sol, ou da terra, havia seres duplamente masculinos, havia aqueles que eram duplamente femininos e, finalmente, havia os que eram compostos por uma parte masculina e por outra feminina. A estes últimos, Aristófanes denominou andróginos. Sucede que os homens, nessa performance, eram tão violentos que, um dia, resolveram subir aos céus para pelejar contra os deuses. Mas perderam a batalha. Como castigo pelo atrevimento, Zeus os partiu, fazendo com que fossem separadas em duas partes. O homem, portanto, na compleição consoante a qual é hoje concebido (ou puramente masculino, ou puramente feminino), vive a vagar, procurando seu outro pedaço, do qual foi afastado pela divindade, assim como Lorenzo Daza separou Fermina de Florentino Ariza. O amor, como se constata, autoriza-nos a enxergar o mundo pelos olhos de Florentino Ariza ou de Aristófanes. Saber amar permite-nos revestir com aço a ossatura.
Resultado de imagem para posse clóvis barbosa tce se
A simbologia que encerrava aquela posse (amor, gratidão, grito de liberdade), se consolidaria com o discurso de que quem sedimenta o poder (o verdadeiro poder) é a voz humana que se confunde com as asas dos pássaros. Conseguir ser ouvido atribui tanta ou mais liberdade do que ter o dom de voar. Hoje, a geração – que uma corja de assassinos tentou calar com baionetas – faz ecoar seu grito de liberdade, como quem sobrevoa muralhas. Não há vida num governo de baionetas. E não há vida por uma razão: as massas não amam quem ascendeu, não porque teve asas, mas porque as pisoteou. A liberdade que o povo clama é aquela que se congrega à profecia que o cineasta judeu Ari Folman externou em “Valsa com Bashir”: ninguém escapa de si ou de sua geração. A geração das baionetas morreu. E, com o seu sepultamento, abriram-se as portas para que a minha geração, a geração que lutou pela liberdade, pudesse voar.  Por isso, concluía o discurso que, embora fosse eu quem estava tomando assento naquela corte de contas, quem de fato se empossava no cargo de conselheiro era a geração da liberdade que já está no Olimpo: Antônio Jacinto Filho (advogado), Carivaldo Lima (ferroviário), Clóvis Marques (gráfico baiano), Gervásio, o Careca (jornaleiro), Gilberto Burguesia (servidor público), Jackson Sá Figueiredo (advogado), João Cardoso Nascimento Jr. (professor e ex-reitor da UFS), João Santana Sobrinho (advogado), José Rosa de Oliveira Neto (jornalista e advogado), Mário Jorge Vieira (poeta), Osman Hora Fontes (procurador da república), Paulo Barbosa (jornalista), Pedro Hilário (ferroviário), Professor Diomedes, Silvério Leite Fontes (professor), Tonico Alfaiate, Víctor Nunes Leal (ministro do STF, cassado pela ditadura) e tantos outros.
Essa foi a geração que me credenciou a amar intensamente a liberdade, daí repetir aqui Dante, em “a divina comédia: “cuida da liberdade com a sabedoria de quem sabe que a liberdade é mais importante do que a própria vida”.

- Publicado no Jornal da Cidade, Aracaju-SE., edição de domingo, 11 de maio de 2014, Caderno A-7.
- Postada no Blog “Primeira Mão”, em 11 de maio de 2014, domingo, às 11h51min, site:



terça-feira, 23 de agosto de 2016

Mulheres da Antiguidade - Cratéspolis

Isto é história
Mulheres Audaciosas da Antiguidade
CRATÉSPOLIS

Vicki León
Resultado de imagem para ptolomeu i
As espartanas não eram as únicas mulheres no sul da Grécia, famosas por seus feitos no estilo John Wayne. Em sua vida rica em realizações, a rainha Cratéspolis governava diversas cidades do Peloponeso com seu marido, o rei Alexandre (não, não é aquele Alex). Não sendo uma mulher do tipo de delegar o trabalho sujo, Cratéspolis gostava de estar nas linhas de frente. Depois que Alex morreu, ela entrou na combatividade em tempo integral: entre 315 e 308 a.C., comandou um exército de mercenários, derrotando e submetendo mais cidades ao seu domínio. Procurando alianças em todos os lugares errados, ela tirou umas férias para manobras de campo com o sempre sensual rei Demétrio, que estava em um período de folga para recreação e descanso de sua guerra nas cercanias. Sua diplomacia de barraca, embora divertida, foi um fracasso político. Tropas inimigas localizaram Demétrio e ele teve de correr para salvar sua vida, camuflando seus atributos com uma velha capa.
Resultado de imagem para ptolomeu i
Bonita mas não cabeça oca, Cratéspolis logo dirigiu o olhar para outros lados. Ela entregou Corinto para Ptolomeu I do Egito, um prêmio saboroso para qualquer monarca, com esperanças de uma união matrimonial. Ele já era casado, mas, sendo um macedônio, e ainda por cima pseudofaraó, tinha opções múltiplas em relação a esposas. O que afundou o grande plano de Cratéspolis foi a paixão de Ptolomeu por sua esposa macedônia, rainha Berenice – que era astuciosa, encantadora e também não era nenhuma incompetente no campo de batalha.

A autora
Vicki León
Resultado de imagem para Vicki León

- A próxima postagem de Mulheres Audaciosas da Antiguidade vai falar de “TEUTA”. Ela foi rainha da Ilíria, região que ninguém sabia onde ficava (é a hoje Albânia). Era um lugar, no século III, a.C., que vivia da indústria de pirataria. A rainha pirata fez misérias nesse período.

– Do livro “Mulheres Audaciosas da Antiguidade”, título original, “Uppity Women of Ancient Times”, de Vicki León, tradução de Miriam Groeger, Record: Rosa dos Tempos, 1997.

- Todas As imagens foram extraídas do Google.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...